segunda-feira, 24 de novembro de 2008

E Deus criou a TV

A TV não poderia nunca acabar mas o mundo... Ah, bem que podia acabar o mundo desde que sobrassem actrizes giras para fazerem papéis de lésbicas. Se não tivessem formação como actrizes também não viria mal nenhum ao mundo, elas poderiam perfeitamente ser modelos ou então outra coisa qualquer que isto da TV é fast food para a cabeça.
Como ainda sou pequenina incorro no Risco(s) de não me conseguir lembrar de todos os programas que desfilaram beijos lésbicos na nossa TV ou que não os apresentando os insinuaram só para prender as pitas da nossa idade ao ecran.
Recordo-me do tubo de ensaio para os Morangos com Açúcar, que por acaso me parecia bem melhor ficção do que este soneto que só traz diabetes às crianças. Em 1998 ainda era um risco colocar-se duas miúdas a dar um beijo. Joana Seixas protagonizou uma personagem que apareceu pontualmente na série Riscos para marcar um blind date com Paula Neves através da net. Não houve beijinhos que isso seria muito arriscado e Paula Neves andava embeiçada por um puto lá da escola. A personagem lésbica terá saído do ar 2 ou 3 episódios depois.
Tinhamos de ir com cuidadinho porque em 2000 ainda se matavam lésbicas na TV como os brasileiros que as punham assim todas numa Torre de Babel e explodiam com aquilo. Christianne Torloni e Silvia Pfeiffer formavam um casal que parecia sempre muito afectuoso mas morre na dita explosão sem nunca ter concretizado um beijo (ou melhor, concretizaram, mas as cenas foram cortadas).
E ao fim de 2 anos Deus criou "Um estranho em casa". Como primeiro estranha-se e depois é que se entranha a série não terá tido grande audiência.


Era Elsa Raposo e Sofia Aparício que faziam par e além de troca de carícias e doces palavras elas ainda se beijavam.
Morangos com Açúcar não mataram nenhuma lésbica mas também não deixaram a personagem viver muito tempo no ecran, por isso foi como se morresse.
Penso que a "grande" volta nos nossos ecrans (a reboque dos brasileiros) dá-se com Clara e Rafaela e com Eleonora e Jennifer, respectivamente em Mulheres Apaixonadas e Senhora do Destino.
Estava destinado. A nossa ficção tinha de apostar mais em temas fracturantes que isso é que é um negócio da china! A TVI também lançou uma novela com um casal gay (um deles morre logo). Homossexualidade, guerra, ciclones, mortes, pancadaria, tudo num saquinho bem sacudido para depois irmos tirando à sorte ou consoante ditem as regras de audiência e de concorrência.
De há uns anos para cá ouvimos falar em f(r)icção nacional, mas quem continua a consumir produtos estrangeiros sabe que há claras diferenças (e não me refiro às linguísticas).
Depois disto o que trazem de novo as duas lésbicas de "Podia acabar o mundo"? Descontando a série nacional "Um estranho em casa", esta será a primeira novela portuguesa em que duas raparigas vão trocar regularmente uns beijitos.
É certo que as produtoras estão ainda a testar o formato do produto, mas se ele for vendido como "polémico", naturalmente as pessoas o receberão como polémico e não como natural.

Vi este vídeo e não achei as actrizes lá muito à vontade, mas convenhamos que se é para encararem o assunto com naturalidade, por que é que SIC e demais imprensa teima em vender este produto (e citarei) como:
"O “Episódio Especial” desta semana mostra o polémico beijo de “Podia Acabar o Mundo” entre Cláudia (Diana Chaves) e Sónia (Ana Guiomar). Sem tabus, as duas actrizes vivem um amor que promete trazer muita discussão à novela da SIC!" - SIC 15 Nov 2008
"(...)vão viver uma acesa e polémica paixão, a qual, tanto quanto se sabe, irá pelo menos culminar num beijo.(...)" JN 13 Nov 2008.
Os exemplos sucedem-se uns atrás dos outros, e o adjectivo é quase sempre polémico. Se eu quiser vender um shampoo devo dizer que ele é nutritivo, se quiser vender uma novela... voilà!
E ao 61º episódio Deus criará o mundo que pode acabar.

x-pressiongirl

4 comentários:

choke :: disse...

já tinha visto isto, não gostei. dois homens não punham de certeza! as coisas que as televisões inventam para fazer subir as audiências.. *

Lilás disse...

isto roça o deprimente!

Bastante má publicidade

enfim!

orquídea disse...

Não poderia estar mais de acordo com o que diz! A reportagem aos bastidores é disso mesmo testemunha. A mim deu-me voltas ao estômago. Pode ser vista no "Estrelaminha" (o blogue)

x-pressiongirl disse...

Caríssimas, também não me impressionei muito com este excerto que mostraram. Não sou apreciadora de telenovelas mas acho inadmissivel que me tentem vender um produto lésbico só porque mo apresentam como de consumo lésbico (brinde extra: e além de lésbico, POlÉMICO). Há ficção boa e má, há livros bons e maus, há actrizes e há aspirantes, há casais lésbicos que convencem e há outros como este.