segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Trocar contactos - 12 lésbicas em acção

As amigas* estão em apuros. Não frequentaram o Curso de Boas Normas e Ética Lésbica e agora não sabem muito bem como sair desta situação, de forma airosa:

“Caí na asneira de dar o meu número de telefone à rapariga que conheci ontem e ela agora não me larga. O que faço?”

Vítima – Aproveito para desabafar com ela, estava mesmo a precisar de falar com alguém.
Machona – Asneira? Qual asneira? Deixa lá a miúda continuar a ligar que eu ainda lhe mostro o meu “strap-on” novo.
Tímida – Pois, se calhar não foi mesmo boa ideia ter-lhe dado o número, mas também tive vergonha de dizer que não. Vou fingir que estou sem saldo e não lhe vou responder.
Sonsa – Ai, a gaja não se toca. Já lhe disse que sim, que gostaria de vê-la só para ela ficar contente, mas à última da hora desmarco ou então finjo que fiquei sem saldo. Há-de se fartar.
Brincalhona – Desculpe, mas acho que se deve ter enganado no número.
Simpática – Vou tomar um café com ela só para mostrar que sou fixe.
Desportista – Vou levar os meus óculos da Arnette e os meus ténis mais novos da Adidas, ah e aquele top que realça os músculos dos braços.
Intelectual – Credo, a mulher não tem conversa nenhuma. Onde é que eu estava com a cabeça quando lhe dei o número?
Obsessiva – Sim, sim, vamos tomar café. Ontem até estive a ver uns aí ao pé da tua casa. Vê lá não me deixes pendurada!
Artística – Talvez lhe possa mostrar alguns dos poemas que escrevi para a minha ex.
Púdica – Mas será que ela me quer levar para a cama? Acho perigoso encontrar-me com estranhos. Só falei com ela ontem durante meia hora.
Diva - Eu não lhe dei o meu número. A rapariga meteu conversa comigo numa discoteca, mas não fazia o meu tipo. Não gosto que as pessoas percam tempo comigo quando eu não estou interessada. Disse-lhe que fora um prazer conhecê-la (ok, é mentira, mas foi só para ser delicada, ok?), pedi-lhe que não me levasse a mal e disse-lhe que tinha clara preferência por raparigas mais novas que ela. Abri-lhe um sorriso sincero e desejei-lhe boa sorte.

x-pressiongirl

* Amigas no dicionário sembikini ganhou o siginificado de "lésbicas". Vá, perguntem: "Podemos então dizer que todas elas são amigas?"
Para eu responder: "Elas não são amigas umas das outras porque ainda nem sequer se conhecem. No entanto, podemos dizer que elas são "amigas", nesse novo sentido da palavra que eu inventei quando estava a tirar o curso de lésbica.


P.S. - Quem ainda não conhece as amigas poderá conhecê-las aqui.

2 comentários:

James Love disse...

Adorei meu amor… Adorei todas as lésbicas.
Devo confessar que me desagrada particularmente a Diva, (pareceu-me que é a tua preferida) mas eu (como deves imaginar) para Divas nunca tive paciência, nem sequer para as verdadeiras quanto mais para as que “se acham”. Manias de superioridade, narizes empinados e caras de boi, para além de não ficarem sexy a ninguém, são tristes até porque regra geral essas tais “Divas” não tem fundamento nenhuma para essas merdices (Ok ok excepção feita para a cara de boi)… De qualquer forma elas(eles) também não costumam gostar muito de mim e portanto fica tudo quite.
P.S Não me desagrada tudo nas “Divas”, até gosto da cara de boi que fazem quando me ouvem falar pela primeira vez lol

x-pressiongirl disse...

Não gosta da Diva? Talvez seja porque James Love confunde postura Diva com Snob e, veja-se, são coisas BEM diferentes! As pessoas começaram a usar o termo Diva pejorativamente, mas Diva significa coisas boas e foi o melhor adjectivo que consegui encontrar para classificar a personagem. Uma VERDADEIRA Diva JAMAIS poderá ter manias de superioridade, narizes empinados, caras de boi e, muito menos, não gostar de si. Penso que O James Love gosta da Diva, muito mais do que julga... Estou segura de que se fosse rapariga seria uma Diva!
saudações x-pressivas,

x-pressiongirl